23 agosto 2011

Pois claro que estás!

Acham que isto é uma maneira parva de atender o telefone?


Na verdade, se estivessem cá os Castigadores da Parvoíce, metade de Portugal era dizimada. Eu incluído. Tudo isto por causa dessa mania irritante de, ao atender o telefone, perguntarmos ao outro se estamos.

Se não perceberam já lá vamos. Um pouco de história, primeiro. A expressão mais correcta, em termos convencionais, a usar para atender o telefone é efectivamente "Alô". Vem do inglês "Hello", antigamente "Hallo", foi o próprio Thomas Edison que a sugeriu como saudação ao atender o telefone, e quer dizer, literalmente, "Olá". Dizer "Olá" é uma óptima forma de atender o telefone, não acham? Para os mais distraídos, não é a Thomas Edison que se atribui a invenção do telefone, é a Alexander Graham Bell, só que este sugeriu que se dissesse "Ahoy hoy!" Felizmente, nessa altura, os Castigadores da Parvoíce estavam lá.

Grande parte dos brasileiros dizem "alô". Alguns, dependendo do sotaque, acabam por dizer "alôe". E se for a Vera a ligar, dizem "alôe Vera". (ok, foi a piada possível, foi seca como o deserto do Sahara mas tinha que ser). E se a memória não me engana, houve um tempo em que também os portugueses atendiam o telefone com "alô". Eu tenho uma vaga ideia de o ter feito nos meus tempos de miúdo.

E depois Portugal inteiro começou a mudar, primeiro de "Alô" para "Está lá?" ou "Está?", e depois de "Está lá?" para "Estou sim?", "Estou?" e finalmente "Tou?". Neste momento, "Tou?" é provavelmente a forma de atender o telefone mais usada em Portugal.

Eu fui acompanhando todas as mudanças e, confesso, sempre as aceitei com naturalidade, nunca pensei em questioná-las, sempre as achei uma forma válida de atender o telefone como todas as outras. Afinal, se toda a gente diz, não deve estar mal de todo, não é? Até que uma amiga brasileira me viu a atender o telefone e disse "Que é essa merda de estou? Isso quer dizer o quê? Não sabe dizer alô?" E nessa altura tive uma epifania. Nessa altura percebi tudo. "Ééé pááá, esta maneira de atender o telefone é muita parva..."

É que já o "Está lá?" era parvo o suficiente. Quer dizer, se a pessoa atende o telefone, é claro que está lá! Onde é que havia de estar? Se estivesse cá, não era preciso telefonar! A minha teoria é que o "Estou, sim" era uma resposta ao "Está lá?", que no fundo era uma pergunta na categoria das perguntas que têm sempre a mesma resposta. A certa altura as pessoas começaram a dizer "Estou sim" logo ao atenderem o telefone, antes que tivessem de ouvir o "Está lá?" do outro lado que já começava a ser irritante. Digamos que era uma resposta preventiva. Por isso o "Estou sim", ou o "Estou", ditos em tom de afirmação, até fazem sentido. Como quem atende o telefone e diz "Estou aqui, fala comigo". De qualquer forma, não deixa de ser um pleonasmo, já que se eu vou atender o telefone é porque estou! Onde é que havia de estar?

Mas o meu problema com o "Estou" não é bem esse, é a entoação que é dada à palavra, que acaba por converter uma afirmação numa pergunta. Olhem bem para vocês da próxima vez que atenderem o telefone e digam-me se estão a dizer que estão ou a perguntar se estão. "Estou?", "Tou?" e "Estou sim?", ditos em tons de pergunta, há que dar a mão à palmatória, são parvos até dizer chega. Imagino-me a telefonar a alguém e responderem-me com "Estou?". Estão a perguntar-me a mim se estão? Como é que querem que eu saiba? Eles não sabem se estão? Ainda pior é perguntarem se "estão sim". "Estou sim?" "Não, estás talvez."

Será que há assim tantos portugueses com crise de identidade? Que não sabem onde estão, se estão ou se não estão, se estão sim ou se estão não? Pelo andar da carruagem, pela evolução que passou do "Está lá" para o "Estou, sim", não há-de tardar muito até que comecemos a atender o telefone a gritar "Pois claro que estás!".

Portanto, neste ponto tenho que admitir que os brasileiros levaram a sua avante. Mas os brasileiros não se ficam a rir, não. Que é que é isso de dizer "Pronto!" a atender o telefone? Pronto para quê, para sair? Do tipo, já se vestiram e puseram a maquilhagem? Eles calavam-se mas é caladinhos, se soubessem que em Portugal Pronto também é o nome de um produto para limpar o pó. Ah pois é!

4 comentários:

felipealves disse...

Mas então, Meu Deus do céu, como faço para atender o telefone e não parecer parvo???!!! Até hoje, eu usava:-Estou! Mas agora que sei de toda a verdade e concordo, vou usar Olá ou somente o belo e breve Oi!

Aramati Paz disse...

O Pronto é de "Estou pronto para te ouvir" ou algo assim.
Mas quase todo mundo ainda usa o "Alô", e gosto das coisas assim.
Afinal o Alô usa-se apenas no telefone, então lhe cai bem.

Assim que percebi o "Tou" de Portugal fui brigada a pesquisar porque realmente é muito parvo isso XD

Marcos Barone disse...

Sem nenhuma pesquisa, mas somente por lógica, creio que o "Está lá?" de antigamente em Portugal, deve ter origem em: "Quem está lá?", como se preguntasse: "Estou falando com quem?", daí, imagino, passaram a dizer "Estou?" e Tou?, com o mesmo sentido: "Estou ou tou falando com quem?

Quanto ao "Pronto!" aqui do Brasil, pouco usado hoje, mas muito usado pelos mais antigos, geração dos meus pais, deve ter surgido devido ao grande número de descendentes de italianos, principalmente em São Paulo. E na Italia é assim que se atende o telefone: "Pronto".

Mas concordo com o autor da conversa: Alô! É uma ótima maneira de atender o telefone!

Quando era criança há 45 anos, aqui em São Paulo - Brasil, acho que o modo de inciar o diálogo ao telefone era ainda melhor, mais inteligente e prático. Era assim:
O telefone tocava e você atendia: Alô! (Ainda hoje é assim.)
E quem havia ligado dizia: De onde fala? (hoje, fora eu, nunca mais ouvi de ninguém)
E você respondia com o seu número telefônico: 555- 5555 (o que era ótimo, porque se houvesse ligado errado já percebia de imediato, Pedia desculpa e desligava). Mas hoje como não se faz a pergunta "De onde fala?", caso tenha errado o número, o diálogo é muito mais complicado e demorado, pois, hoje, devido a pressa, quando você atende "Alô!" A pessoa logo diz: "O fulano está? ou quando é um pouco mais educada: " Por favor, o fulano está? Mas caso o número discado esteja errado, este modo de dialogar, ao invés de ganhar tempo, torna o diálogo muito mais longo, pois, você responderia: "Não tem ninguém com este nome." Ou talvez, não entendesse bem e aí diria: Como? ou quem? Ea pessoa que ligou teria que pedr desculpas, ou repetir o nome ou ainda perguntar: Mas aí não é a casa do fulano? Ou seja: o querer ganhar tempo, complicou e alongou muito mais o diálogo. Como diria meu Pai: "Passamos de cavalo a burro!"

Wéllington Cesar de Oliveira disse...

Aqui no Brasil, atendemos falando "Alô" ou "Pronto" que significa "pronto para falar". Sei que para vocês patricios, nossa forma de atender o telefone pode parecer um pouco estranha, mas estranho mesmo é ouvir alguém dizer "Estou a rir"... Isso sim é uma embecilidade, ou na linguagem dos patricios, parvoíce.